Bolo Rei

A melhor forma de começar essa lista açucarada é com a estrela da mesa dos portugueses: o Bolo Rei – um bolo típico português que se come tradicionalmente entre o Natal e o Dia de Reis (6 de jan). É uma espécie de pão doce com ovos preenchido por nozes, passas e frutas secas e cristalizadas. É, na sua essência, a versão mais saborosa de um bolo com frutas.

Por trás deste bolo existe uma simbologia com cerca de 2000 anos de existência… Diz a lenda que o bolo representa os presentes que os três Reis Magos deram ao Menino Jesus aquando do seu nascimento: a casca simboliza o ouro; as frutas cristalizadas e secas, representam a mirra; e o aroma do bolo simboliza o incenso.

Tradicionalmente em Portugal, no interior do bolo, escondiam-se uma fava de baunilha seca e um pequeno brinde de metal. A quem lhe recebesse a fatia de bolo com a fava deveria pagar o próximo bolo rei e o brinde de metal dava sorte a quem o encontrasse.

Em Portugal, a primeira pastelaria a vender e a confeccionar o Bolo-Rei foi a Confeitaria Nacional, em Lisboa, por volta do ano de 1870, bolo esse feito através duma receita trazida de Paris. Mas com a proclamação da República, a 5 de Outubro de 1910, vieram os piores tempos para o Bolo Rei ficando em risco a sua existência, por causa da palavra “rei”, símbolo do poder supremo que tinha sido derrubado. O bolo tinha que desaparecer ou arranjar outra designação… Os pasteleiros continuaram a fabricá-lo mas mudaram-lhe o nome e, hoje, com o passar do tempo, o bolo, recuperou o seu nome original.

Bolo de Mel da Madeira

O Bolo de Mel é uma das mais tradicionais iguarias da gastronomia da Madeira. É indispensável na época de Natal, de sabor característico, como resultado da utilização do mel-de-cana e de diferentes especiarias. É hábito prepará-lo no dia 8 de dezembro, dia de Nossa Senhora da Conceição, de modo a adquirir nesse período as características que o tornam único. Deve ser partido à mão e acompanhado de licores ou vinho da Madeira. Este bolo pode ser naturalmente conservado durante vários meses, mantendo as suas excelentes qualidades. É preparado com mel-de-cana, remontando as suas origens à época áurea de produção de açúcar no arquipélago.

Bolo de Natal dos Açores

Este bolo deve ser feito com pelo menos 8 dias de antecedência, para que possa secar. Diz a tradição que deve ser aberto na noite de Natal sem qualquer enfeite ou apenas enfeitado com frutas cristalizadas. Tradicional do natal, a receita do Bolo de Natal dos Açores varia um pouco de ilha para ilha, mas no principal é parecida. Leva canela, mel, frutas cristalizadas, vinho do porto, entre outros ingredientes.

Tronco de Natal

O tronco de Natal nasceu em Paris, no final do século XIX, nos fornos do historiador e confeiteiro Pierre Lacan. O bolo é uma espécie de enrolado coberto e recheado com creme de chocolate com Vinho do Porto e a sua forma assemelha-se à da madeira, imitando um verdadeiro tronco de árvore. Na origem do doce de Natal está a tradição das famílias em reunir-se diante da chaminé, na véspera de Natal: um tronco de lenha era aceso pelo filho mais jovem e pelo mais velho; depois era benzido pelo chefe da família com óleo, aguardente ou água benta. As cinzas da madeira eram guardadas para proteger a família do diabo no ano seguinte. Com o desaparecimento da tradição da cavaca de Natal, o tal tronco que se colocava a arder, o símbolo dessa época passa a ser um bolo, ao qual se chamou o tronco de Natal.

Biscoito de Natal

Gingerbread em formato de bacalhau

A origem dos biscoitos de gengibre reside nas receitas medievais europeias do Lebkuchen (pão de gengibre) foi provavelmente o primeiro pão/bolo para ser tradicionalmente relacionado com o Natal. Esta tradição de biscoitos de natal se espalharam pela Europa facilmente, e variava a receita de acordo com o paladar de cada civilização.

Os holandeses trouxeram consigo os primeiros biscoitos de Natal. Assim começou a arte de fazer bolinhos deliciosos. Os Cookies (biscoitos) é uma palavra que vem da palavra holandesa Koeptje [koekje], o que significa pequeno bolo. Livros da receita do período da Renascença, porem, já traziam uma inúmeras receitas de biscoitos desse tipo. Mas esta tradição, com a revolução Industrial, foi mudando pois os biscoitos passaram a ser produzidos em fábricas.

Encomende AQUI e experimente um pouquinho de Portugal no seu Natal.